O Inferno Somos Nós

O homem para frente aos dois filhos. Seus olhos – duas esferas, vácuo irrefletido do abismo que, naquele momento, era sua alma. Sua mão envolvia o metal frio que, num momento, aniquilaria um dos dois. Assim tinha ordenado aquele senhor estranho – repulsivo!, foi a primeira impressão que saltou-lhe ao pensamento -, que, com um sorriso sarcástico, articulava lentamente as ordens: mate um deles ou todos, todos mais você, serão mortos. “Mas que estranha, que sádica ordem a desse homenzinho desgraçado!”, pensava o homem, enquanto, já perdido, vertia algumas lágrimas – de angústia, desespero; de humanidade.

“E assim termina a parábola”, diz o velho, encarando o interlocutor, agora pensativo, “que concentra a totalidade da odisséia humana”. Eram dois ao redor de uma mesa velha de bar: o velho, que narrara a estranha história: barba prateada e rosto enrugado. Vestia-se com cuidado, mas com roupas já gastas. O outro, bem mais novo, encontrava-se próximo aos vinte anos. Vestia-se com elegancia, dotado de estatura mediana e a face bem barbeada abrigava a uma expressão de intranquilidade.

“Mas… Como?”, diz depois de um silêncio meditativo, o mais novo.

“É simples: há as escolhas. Também há a impossibilidade de fugir delas, como das circunstâncias.”

“E por que o homem repulsivo não era assassinado?”

“A repulsa que ele desperta vem justamente daí: ele é a manifestação do insuperável. O personagem nem imagina matá-lo porque o sabe: se o fizesse, viram outros, seria só um adiar do julgamento; mas este viria, e as penas… Ah, as penas…”

O mais novo estava visivelmente inquieto. Sua cara retorcia-se e contorcia-se em um balé que evocava um estado de espírito de assombro inimaginável. Pensava – seus esforços eram todos no sentido de engendrar uma fuga, um plano de escapatória para o condenado da anedota. Se fizesse isso, ele, também, seria salvo. Todos seriam! E toma a palavra:

“Considerando que o homem devesse fazer mesmo a escolha, assim então poderia lavar as mãos de sua escolha. Uma força que estava além de seu domínio o obrigara a matar um filho, e ele poderia fazer a escolha usando o cálculo científico: analisaria dados, quais as perspectivas de cada um dos dois etc., etc.; a Natureza escolheria o mais apto, assim como já aconteceria d’alguma forma! Não há culpa, não há responsabilidade em seu assassínio!” – O discurso foi proferido em tom rápido, acelerando-se conforme avançava. As últimas palavras já uniam-se umas às outras lembrando grunhidos. Mas o Velho não vacila, e responde:

“Ah, sim, os cálculos… Primeiramente esse homem cometeu um assasinato: seu crime será imperdoável para ele mesmo, na medida em que reconhecer o absurdo em que consiste tirar a vida de um outro humano. Não há lógica que ampare o apagar de uma vida. E a escolha foi feita com critérios: todos arbitrários; essa pretensão para a exatidão é má fé.”

“Como?”

“O homem recebeu um desígnio do Destino: que era o de matar um de seus filhos. Mas a partir daí, toda a responsabildade era sua. Tentando transferir sua escolha para outra instância – para o impessoal cálculo científico – ele não se isenta: primeiro, escolheu a instância que teoricamente receberia sua responsabildade. Dentre muitas, ele escolheu aquela: a culpa por escolher o Juiz é, portanto, dele. Em segundo, há apenas o desejo mesquinho de não sofrer com a reação de seus atos. É um ato de pobreza espiritual e fraqueza, que não salva sua existência da culpa, e ainda acresce de covardia, que completará a equação da angústia.”

Ele estava certo. o mais novo sabia; de alguma forma ele pressentia aquilo. Mas não desistiria: iria até o fim. E disse:

Resta-lhe o suicídio. Meter a bala na própria têmpora causara na morte – que já inevitável – dos filhos; mas sem existir não poderá mais conviver com o inferno que se seguirá.”

O velho sorri. Já havia imaginado a suposta saída, e disse, tranquilo:

“Matando-se, ele abdica da sua liberdade, portanto é isento de sua culpa. Mas matar-se é, também, uma escolha; é, portanto, um ato de liberdade – escolhe-se o crime, e essa escolha é consciente. Antes de apertar o gatilho, a responsabilidade o dominará de tal modo que seu sofrimento, que viria no porvir, vai se condensar todo em um ponto do tempo: momento de insuportável agonia.”

E, depois de um instante, emenda ainda:

“A liberdade – fogo de Prometeu -; nosso único bem, nossa irresistível maldição.”

Anúncios
2 comentários
  1. Primrose disse:

    Não conseguimos fugir da angústia de saber que existimos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: