Algumas Considerações Sobre o Conto


Não tive muita dificuldade em escrevê-lo, salvo o título, que ficou incerto até o momento em que decidi publicá-lo logo. Primeiro, pensei em em chamá-lo “Contingência”. Do Houaiss:

“3. Derivação: por extensão de sentido.
fato imprevisível ou fortuito que escapa ao controle; eventualidade
4. Rubrica: filosofia.
caráter do que ocorre de maneira eventual, circunstancial, sem necessidade, pois poderia ter acontecido de maneira diferente ou simplesmente não ter se efetuado”

A mudança se explica por uma forma de enxergá-lo. Imagino que, no meio de todos esses “bons sentimentos” que se associem ao natal, caiba a gratidão. Mas como, perguntará o leitor, esse pequeno conto se relaciona com a gratidão? Certamente não é pela mãe, arrastada do mundo mais cedo do que imaginava; nem pelo filho, órfão sem aviso. A gratidão, na verdade, é perceber que o controle que supomos ter da vida é pouco, bem pouco, frente ao caos que é o mundo. Podemos ser saudáveis, passar protetor solar todo dia, fazermos inúmeras refeições diárias, ao gosto dos nutricionistas, e, no entanto, morrermos afogados numa ida à praia. Acho que em nossa ânsia de controlar tudo, o peso, as horas, o sono, acabamos esquecendo que há o imponderável, que transcende tudo isso. Esquecemos, por consequência, de sermos gratos de alguma forma: por estar aqui (ainda). Lembrando o poema de Drummond:

Recebe com simplicidade este presente do acaso.
Mereceste viver mais um ano.
Desejarias viver sempre e esgotar a borra dos séculos.
Teu pai morreu, teu avô também.
Em ti mesmo muita coisa já expirou, outras espreitam a morte,
mas estás vivo. Ainda uma vez estás vivo,
e de copo na mão esperás amanhecer.

Anúncios
4 comentários
  1. Igor disse:

    Acho que não precisa de um objeto, a gratidão pode ser intransitiva.

    Tem gente que prefere agradecer à Deus, mas eu não consigo me enganar assim.

  2. Primrose disse:

    Seria talvez agradecer ao mistério da vida seja lá como as pessoas o encaram (Deus, big bang, …).

    Eu acho que tem sim que ter alguém (ou algo) a quem somos gratos. Não dá pra agradecer o nada.

  3. Mas como a gratidão pode ser intransitiva? Sei lá, eu acho que entendi (ou não) o que você quis dizer, mas não seria gratidão né.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: