Reflexão espontânea (outra tese)

No passar do tempo, há um progresso. Progresso que, no entanto, não deve ser confundido com uma melhora. Que é um andar incerto, que não se sabe se para frente, mas sempre em frenteem frente porque nunca se pode voltar ao que já foi.

Anúncios
10 comentários
  1. progresso (é)
    (latim progressus, -us)
    s. m.
    1. Marcha ou movimento para diante.
    2. Adiantamento.
    3. Desenvolvimento.
    4. Movimento progressivo da civilização.
    5. Aperfeiçoamento.

    Acho que cabe mesmo sua ideia. Mas, não sei, não ficaria melhor “transformação”? É que aí não combinaria com “em frente” né?
    Pqp, desconsidere meu comentário.

  2. Igor disse:

    Hahahaha

    É, mas caberia sim. Mas eu quis enfatizar essa ambiguidade do progresso, então achei melhor.. 😛

  3. Ernst, o jovem disse:

    Acho que é progresso mesmo: é uma flecha para frente – a flecha do tempo -, mas não é por isso que também é uma flecha para cima (né, querido Hegel?), ou seja, não é porque vai avante, que também se acumula: isso formaria a tal espiral, que nos levaria inexoravelmente ao fim da história. Mas a figura da história é outra – e que cada um represente a sua.
    Acho que o destino, o qual nos faz e que nós o fazemos – pelo menos heideggerianamente, é chave fundamental para se pensar essa questão.
    Abraços!

  4. A reflexão espontânea é uma psicose de que se eu for ali se eu voltar vão pensar que eu tô louco ou mesmo não posso voltar ou minha consciencia não volta.

  5. Quando escrevi sobre a tal “Reflexão Espontânea” não descrevi o progresso da humanidade, ou o progresso humano, mas
    quis falar sobre algo a respeito sobre: autoconsciência, subjetividade, o circundante e eles…

  6. Reflexão involutária: é quando os pensamentos vem a mente sem que você queira, talvez, todos já passaram por isso um dia
    ou vão passar.

  7. No passar do tempo há um progresso: quando você anda ou decide algo você o faz, ou seja, progrede o pensamento ou no andar…

  8. O DEVIR TAMBEM SERIA UMA BOA DISCUSSAO: O DEVIR E O ETERNO RETORNO NIETSZCHEANO, A DESCONTRUCAO DA LINGUAGEM EM NIETSZCHE, AUTOAFIRMACAO EM NIETSZCHE, FILOSOFIA DA POETICA:A LINGUAGEM NIETSZCHEANA;A LINGUAGEM PAGAN EM O NASCIMENTO DA TRAGEDIA , A DEPRESSAO ECCE HOMICA.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: